Joanna de Ângelis.
                                                                Fundamentos da Doutrina Espírita.
 

A existência de Deus:

Segundo a Doutrina Espírita Deus é entendido, com toda a nitidez que a nossa percepção é capaz, como sendo a Causa primeira que transcende às origens de tudo sendo, por isso mesmo, o Construtor do Universo infinito. É o Criador da Vida na sua essência imortal. Está em toda parte, atuando com o Seu poder absoluto em cada partícula do microcosmo, como em cada corpo celeste que compõe o macrocosmo.

Não é dado ao homem sondar a natureza íntima de Deus. Para isso ainda nos falta o desenvolvimento das faculdades necessárias.

Costumamos, todavia, considerar o Criador (“inteligência suprema, causa primária de todas as coisas”) como sendo o nosso Pai misericordioso que, através de Suas leis imutáveis, justas e perfeitas, deixa sempre os infinitos caminhos da evolução abertos a todas as criaturas.

Imortalidade da alma:

A alma é indivisível e imortal. É imperecível porque a sua individualidade é entelha da própria essência divina.

A alma preexiste ao corpo físico e sobrevive ao mesmo.

Os seres humanos são imortais, porque são espíritos encarnados (almas). O estado encarnado do Espírito é temporário, porque seu verdadeiro mundo é o mundo espiritual.

Os espíritos são os seres inteligentes da Natureza.

Comunicabilidade :

O Espírito (liberto do corpo físico), tem possibilidade de comunicar-se com os homens (espíritos encarnados). O respectivo processo de comunicação é, em geral, designado por “mediunidade”.

Lei de causa e efeito:

Toda ação produz uma reação correspondente. Qualquer ato de implicação moral redunda em efeito correspondente que recai sobre a própria pessoa que o praticou.

Quando se faz o bem ao próximo o faz, naturalmente, a si mesmo. Quando o retorno não se dá na mesma existência o indivíduo o recebe na vida espiritual ou numa outra encarnação.

Criação, encarnação e reencarnação dos espíritos:

Os espíritos são criados, igualmente, simples e sem conhecimentos, porém, dotados de todas as potencialidades para desenvolver as suas faculdades.

A encarnação do Espírito tem por finalidade a utilização de um corpo físico
como providencial instrumento para realizar a sua evolução intelectual e moral.

A reencarnação consiste na lei das vidas sucessivas. São etapas de experiências, no mundo físico, para que o Espírito evolua no justo resgate de dívidas, na intelectualização, na depuração, no cumprimento de missões, etc.

Perispírito:

É o corpo fluídico que reveste o Espírito; intermediário entre o Espírito e o corpo carnal. É o modelador do corpo físico.

O perispírito também preexiste e sobrevive à composição fisiológica.

Ele se purifica e se torna sutil na medida em que o Espírito evolui. Nele ficam
os registros de todas as experiências que o Espírito adquire.

Habitabilidade dos mundos:

A Terra é um dos infinitos mundos e constitui um fragmento na poeira das galáxias do Universo. Por que só a Terra seria habitada?